# Lotação do transporte público é a maior dificuldade para quem se desloca com crianças em SP | Green FM
terça-feira , 11 dezembro 2018
Home /
Lotação do transporte público é a maior dificuldade para quem se desloca com crianças em SP
imagem divulgação

Lotação do transporte público é a maior dificuldade para quem se desloca com crianças em SP

Qual a avaliação dos paulistanos sobre os espaços e equipamentos públicos destinados às crianças na capital paulista? Os resultados do levantamento “Viver em São Paulo: a Criança e a Cidade”, feito pelo Ibope para a Rede Nossa São Paulo, foram apresentados em evento público na manhã desta terça-feira (09) no Sesc Consolação.

Uma das principais queixas dos paulistanos teve a ver com a lotação do transporte público, apontado pela maioria dos entrevistados como o aspecto de maior dificuldade para quem se desloca com crianças e adolescentes. A Falta de respeito da população em não ceder espaço ou assentos para pessoas com preferência e a precariedade do transporte público também foram outros problemas apontados no levantamento.

No entanto, o que chamou a atenção foi a questão da vulnerabilidade dos menores, já que os dados apontaram que 76% acreditam que aumentou o número de crianças e adolescentes pedindo dinheiro na rua. Para 82% das pessoas ouvidas na pesquisa aumentou o número de crianças e adolescentes consumindo drogas e álcool.

Sobre lazer, 41% dos entrevistados disseram que os parquinhos públicos foram são ruins ou péssimos. Já as quadras poliesportivas foram avaliadas como negativas por 32%, enquanto que as praças e parques foram mal classificadas por 33%.

De acordo com o levantamento, a maioria das crianças e dos adolescentes em São Paulo estuda na rede pública de ensino: 71%. Outros 21% estão matriculados em escola particular. E o número de paulistanos que têm filhos que precisam de creche chega hoje a 53%.

“É preciso que se pense com bastante seriedade quais são as políticas de acesso alternativas, as oportunidades culturais, educacionais, de emprego e renda”, disse Américo Sampaio, gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, em entrevista ao Estadão.

O estudo pode ser observado na íntegra AQUI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top