# Instituto Butantan: nova espécie de serpente sobrevive a incêndio | Green FM
quarta-feira , 27 outubro 2021
Home /
Instituto Butantan: nova espécie de serpente sobrevive a incêndio
imagem divulgação

Instituto Butantan: nova espécie de serpente sobrevive a incêndio

A revista alemã Salamandra publicou em agosto artigo em que o pesquisador Francisco Luis Franco, do Laboratório Especial de Coleções Zoológicas do Instituto Butantan, descreve uma nova espécie de serpente, a Thamnodynaste phoenix.

O gênero Thamnodynaste é composto atualmente por 19 espécies de cobras vivíparas (que colocam ovos) e opistóglifas (cujos dentes inoculadores de peçonha se encontram na parte posterior do maxilar superior).

A serpente estudada foi doada pelo Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna Caatinga) ao Instituto Butantan. Em março de 2010, o Instituto sofreu um grave incêndio que destruiu 90% da Coleção Herpetológica “Alphonse Richard Hoge”, atingindo grande parte de seu material biológico.

Foram resgatados somente alguns espécimes, incluindo dois espécimes em depósito da Thamnodynaste phoenix. Daí o nome da espécie, uma alusão à ave mitológica que morre em combustão e renasce das próprias cinzas.

Segundo o Cemafauna Caatinga, a nova espécie hemipeniana se distingue de todos os seus congêneres por uma combinação única de caracteres, incluindo 19 linhas dorsais de escamas lisas no meio do corpo, o menor número de linhas sob a cauda no gênero e uma morfologia e padrão de coloração distintos.

A Thamnodynaste phoenix tem ampla ocorrência nas áreas abertas do semiárido nordestino. O município de Petrolina, interior de Pernambuco, especificamente o Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) ficou designado como a localidade da espécie.

O artigo A new species of Thamnodynastes from the open áreas of central and northeastern Brazil (Serpentes: Dipsadidae: Tachymenini), de Francisco L. Franco, Vivian C. Trevine, Giovanna G. Montingelli e Hussam Zaher, pode ser lido em https://goo.gl/1fP1vr.

Via Agência FAPESP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top