segunda-feira , 20 novembro 2017
Open Popup
NOVIDADES GREEN
Home / Notícias / Projeto prevê uso de água do mar em equipamento sanitário de cidade litorânea
Projeto prevê uso de água do mar em equipamento sanitário de cidade litorânea
Imagem Creative Commons

Projeto prevê uso de água do mar em equipamento sanitário de cidade litorânea

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que permite o uso de água do mar em equipamentos sanitários – como tanques, privadas, pias e tubulação correspondente – nas cidades litorâneas. Atualmente, a Lei de Saneamento Básico (Lei 11.445/07) só permite uso de água vinda da rede pública de saneamento básico.

O texto aprovado é um substitutivo da deputada Josi Nunes (PMDB-TO) ao Projeto de Lei 7108/17, do deputado Hildo Rocha (PMDB-MA). O texto original tornava obrigatório o uso de água do mar nesses equipamentos em cidades litorâneas.

Nunes também retirou a pena de detenção, de um a seis meses e/ou multa para o responsável pelo prédio que não usar essa fonte hídrica.

Prazos

Outro ponto que saiu do texto foi relativo aos prazos de adequação da tubulação para receber a água marinha: de dois anos para ligações novas e de cinco anos para ligações antigas.

Segundo Nunes, a decisão sobre a disponibilização ou não de água do mar para uso em equipamentos sanitários deve ser da competência dos municípios. A deputada ressaltou que esse tema será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Josi Nunes disse que a obrigatoriedade exigiria das prefeituras uma série de adequações sanitárias, o que implicaria enormes despesas, “talvez insuportáveis” nos dias atuais. Isso, sem falar da adequação em cada domicílio e do desgaste natural nas tubulações com água do mar, com incrustações e entupimentos. “Os proprietários, em face da crise econômica atual, poderiam até motivar o descumprimento da lei.”

A proposta será analisada pelas comissões de Desenvolvimento Urbano; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (inclusive quanto ao mérito). Depois, segue para o Plenário.

Via Agência Câmara

Comentários
Scroll To Top
Shares