segunda-feira , 20 novembro 2017
Open Popup
NOVIDADES GREEN
Home / Notícias / Bicicleta e seu impacto na economia da cidade
Bicicleta e seu impacto na economia da cidade

Bicicleta e seu impacto na economia da cidade

A bicicleta, não custa destacar, pode impactar positivamente na saúde e qualidade de vida da população, e o ato de pedalar contribuir para a redução dos congestionamentos, gerar negócios e dinamizar o turismo nas cidades. Estas ações são possíveis, mas vão exigir de parte do poder público estímulos ao seu uso tanto na mobilidade urbana como para o lazer e a atividade física.

Para falar destes benefícios e de como incentivar a prática do ciclismo nas cidades participaram no final de maio do programa Rio em Foco, da TV Alerj (Canal 12 da NET), dois especialistas no tema: o assistente de transportes ativos do ITDP Brasil, Rafael Siqueira, e o pesquisador de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas, Rene José Rodrigues Fernandes. O programa ‘Políticas inclusivas para bicicletas e seu impacto na economia municipal’ pode ser assistido acessando o canal do youtube do Fórum de Desenvolvimento do Rio.

De acordo com dados da ONG Transporte Ativo, são realizadas 3,1 milhões de viagens de bicicleta no trajeto casa-trabalho por dia na região metropolitana do estado do Rio de Janeiro. Destas, 446 mil viagens são apenas na capital. E esse número pode aumentar, destacou Rene Fernandes: “À medida que conseguimos colocar a bicicleta como mobilidade ativa, diminuimos cada vez mais os engarrafamentos”, disse.

O estímulo para aqueles que ainda não adotaram a prática da bicicleta pode vir de investimentos do poder público em eventos como o Bike Rio Festival, realizado em maio na cidade do Rio de Janeiro, acrescentou. “Além de atrair olhos para o local que os sedia. Em Paris, por exemplo, um dos eventos mais conhecidos mundialmente é o Tour de France, que atrai pessoas do mundo inteiro para experimentar um hábito que se tornou marca da cidade”, ressaltou. Para concluir, o pesquisador destacou políticas complementares, como as ciclofaixas para lazer, que também têm seu papel no incentivo à adoção das bicicletas.

Já Rafael Siqueira, do ITDP, alertou para o fato de que, para bons resultados, adaptações precisam ser feitas nas cidades que façam da bicicleta realmente uma opção e que sua circulação aumente. “Não existe uma receita de bolo. Antes, é preciso estudar quais são as condições sociais, de infraestrutura e culturais de cada cidade”, observou.

Via Mobilize Brasil

Comentários
Scroll To Top
Shares